03/02/2024 às 09h34min - Atualizada em 03/02/2024 às 09h34min

MPF e MPPA recomendam reforma de escolas indígenas e valorização da língua materna em Jacareacanga, no Pará

Órgãos devem ser informados, no prazo de 15 dias, das providências tomadas.

Da redação

Jornal Pará Publicidade 790x90

Reprodução
Os Ministérios Públicos do Estado e Federal emitiram recomendação à Secretaria Municipal de Educação de Jacareacanga, no sudoeste do Pará, para a estruturação de escolas indígenas e valorização da língua materna.

A recomendação surgiu de procedimentos que tramitam no MPF e MPPA, em relação a demandas de construção, estruturação e reforma das escolas indígenas da região.

LEIA MAIS: PSOL e REDE processam deputado bolsonarista por publicação no Instagram


O MPF e ao MPPA, devem ser informados, no prazo de 15 dias, das providências tomadas. No caso de não acatamento, podem ser adotadas as medidas extrajudiciais ou judiciais.

O município do Pará com maior proporção de indígenas entre o total de moradores é Jacareacanga, onde 59,13% dos moradores é dessa população.

Levantamento - No documento, a procuradora Thaís Medeiros da Costa e a promotora Lilian Braga recomendam um levantamento minucioso das necessidades estruturais das escolas indígenas de Jacareacanga.

O levantamento deve incluir análise sobre a estruturação das escolas, informando as medidas já adotadas em relação a cada uma e a viabilidade de construção e reestruturação imediata ainda para o ano letivo de 2024.

O prazo para apresentação do levantamento integral é de seis meses e deverá contar com a participação das comunidades interessadas.

O cronograma de atendimento, por sua vez, deverá ser elaborado por ordem de prioridade, de modo que haja uma política concreta de recuperação da infraestrutura escolar indígena.

As datas para reforma e construção devem ser razoáveis e coerentes com a necessidade social de cada comunidade, diz o documento.

Foi recomendado também que sejam adotadas as medidas necessárias para equiparar a carga horária da língua materna indígena à da língua portuguesa no currículo das escolas indígenas Munduruku. A equiparação deve ser implementada no ano escolar 2024.

Deficiências estruturais - Segundo os MPs, a estrutura das escolas Kirixi Jeybu e Juliano Kirixi existe, mas foram apontadas deficiências estruturais, principalmente de equipamentos básicos.

Já a comunidade Poxo Reben, no polo de Sai Cinza, é necessária a reabertura da escola há mais de dois anos, sem resposta. Na Aldeia Nova Vida, a construção da escola foi objeto de processo licitatório, com previsão de conclusão até abril de 2024, abrangendo a reforma da Escola da Aldeia Waro Biatpu (Posto de Vigilância). Porém, as escolas ainda não foram comprovadamente construídas, segundo informado ao MPF.

Até o momento da publicação desta reportagem a Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto do município não se manifestou.

Com informações de MPF e G1

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp