25/07/2023 às 13h46min - Atualizada em 25/07/2023 às 13h46min

Crianças internadas no Metropolitano têm atividades com pipa, futebol e até boliche

Brincadeiras distraem, melhoram o humor e reduzem o estresse e a insegurança naturais em processos de hospitalização.

Carlos Yury - com informações de Agência Pará

Jornal Pará Publicidade 790x90

Ag. Pará / Imagem Ilustrativa

No período das férias, brincadeiras antigas garantem a alegria de crianças internadas no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém.

Os pequenos deixaram o ambiente interno para empinar pipas, jogar futebol e boliche na área externa da unidade. A atividade proposta é acompanhada por equipe multiprofissional, a fim de diminuir e minimizar sentimentos negativos, entre eles, o medo e o estresse frequentes em processos de hospitalização.

​Revista Eletrônica Cidades e Negócios promove seminário sobre Democracia e Direito Eleitoral em Parauapebas

 

Os dias ensolarados de julho garantiram o cenário perfeito para as crianças empinarem as pipas. Uma brincadeira simples, mas que faz total diferença no tratamento das crianças e serve, ainda, como exercício de terapia ocupacional.

“Se estivessem em casa, com suas rotinas regulares, essas crianças estariam de férias escolares e, certamente, brincando. E as pipas estão entre as principais brincadeiras delas nesse período. Então, trazer essa rotina para dentro do hospital contribui em diferentes aspectos, entre eles na terapia ocupacional, com os exercícios, na psicologia e outros”, explica a terapeuta ocupacional do Hospital Metropolitano Samanta Oliveira.

Com os olhos brilhando, os pequenos aguardavam ansiosos para subir e empinar a pipa. Fernando da Silva, 11 anos, vindo do Acará, no município do Acará, na região de integração do Tocantins, fraturou o braço ao cair de uma árvore e está internado há 28 dias. “Achei muito legal, gostei bastante. Espero que tenha cada vez mais”, contou.

A irmã e acompanhante do menino, Jucilene Silva, 24, também aprovou a iniciativa. Para ela, esse momento marcou como um diferencial positivo durante a internação e ficará marcado na lembrança.

“Eu já estive internada em outros hospitais com meus filhos e nunca recebi esse tratamento com essas outras atividades, então foi uma experiência muito boa e positiva para sair um pouco da internação. Só de ver a luz do dia aqui fora, ele sorrindo e brincando já traz alívio e felicidade”, comenta a jovem.

Referência no tratamento de média e alta complexidade em traumas e queimados para a Região Norte pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência é gerenciado pelo Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e dispõe de 208 leitos operacionais nas especialidades de traumatologia, cirurgia geral, neurocirurgia, clínica médica, pediatria, cirurgia plástica exclusivo para pacientes vítimas de queimaduras e leitos de UTI.

O HMUE recebe pacientes da Região Metropolitana de Belém, de outros municípios do Pará e até de outros estados. Em 2022, realizou mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e de imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp