05/04/2022 às 10h21min - Atualizada em 05/04/2022 às 10h21min

Eleições 2022 no Pará: Pré-candidatos e calendário eleitoral

Prazos para desincompatibilização e janela partidária já encerraram, trazendo novas configurações para o cenário das eleições no estado. Partidos têm até 5 de agosto para apresentar candidatos

Mayra Leal

Jornal Pará Publicidade 790x90

(Imagem: Roberto Jayme/TSE)

O último sábado, 2, foi o prazo final para que ocupantes de cargo público que pretendem se candidatar nas Eleições 2022 pudessem se desincompatibilizar da administração pública. A edição extraordinária do Diário Oficial do Estado, publicada no sábado, traz o desligamento de seis secretários de Estado, além de secretários regionais e dirigentes de empresas e autarquias. Deixam os cargos públicos para concorrer a uma vaga como deputado estadual na Assembléia Legislativa do Estado do Pará: Carlos Maneschy, que deixou o comando da Secretaria de Ciência e Tecnologia, a Sectet, Jarbas Vasconcelos, que saiu da Secretaria de Administração Penitenciária e é pré-candidato à deputado estadual pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e Jorge Panzera que saiu da Imprensa Oficial do Estado, a IOEPA e é pré-candidato a deputado estadual pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Da lista da descompatibilização, estão de olho na Câmara dos Deputados em Brasília: Zé francisco, que deixou a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e concorrerá como deputado federal pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB); Úrsula Vidal que saiu da Secretaria de Cultura e deve concorrer à deputada federal pelo MDB; além de João Chamon Neto que deixou a Secretaria Regional de Governo do Sudeste do Pará, e  Henderson Pinto que saiu da Secretaria Regional de Governo do Baixo Amazonas e  também devem tentar uma vaga na câmara federal.

Entre os que deixaram os cargos, mas ainda não informaram o destino nessas eleições, estão: Iran Lima, que saiu da Casa Civil, Giovanni Corrêa Queiroz, que saiu da Secretaria Extraordinária de Produção; Tercio Junior Nogueira (Soldado Tércio) que deixou o cargo de diretor geral do CredCidadão e Hana Ghassan, que deixou o cargo de Secretária de Planejamento e Administração e é um dos nomes cotados para vice-governadora na chapa de Helder Barbalho.


Disputa eleitoral

Além de Helder Barbalho, que concorrerá à reeleição pelo MDB, também é pré-candidato na disputa para o governo do estado Zequinha Marinho, atual senador que foi eleito pelo Partido Social Cristão (PSC), e que disputará agora as eleições pelo PL, Partido Liberal. O PSOL - Partido Socialismo e Liberdade- ainda não definiu seu candidato, mas trabalha com duas possibilidades: Fernando Carneiro e Silvia Letícia. Um dos nomes que foi muito cogitado é o do ex-governador Simão Jatene, mas ele já afirmou que não vai se candidatar ao pleito. Márcio Miranda que nas eleições passadas ficou como o segundo mais votado para o cargo de governador não disputará a cadeira do executivo, optou por se candidatar como deputado federal pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Além do cargo de governador do estado, as eleições 2022 também elegerão no Pará 41 deputados estaduais, 17 deputados federais para representar o estado na Câmara dos Deputados e um senador - o Pará tem três cadeiras no senado-. Entre os nomes apontados como pré-candidatos a senadores, estão Flexa Ribeiro que tenta retornar ao Senado agora pelo Progressistas (PP), após saída do PSDB; Beto Faro, pré-candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT); Mário Couto pelo PL e Manoel Pioneiro pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).


Fim da janela partidária 

Também já encerrou o prazo para que novos candidatos se filiem aos partidos e para a realização da janela partidária, período destinado para troca de legenda. Nesse ano, 14 parlamentares paraenses optaram pela troca. Além do senador Zequinha Marinho, mudaram de partido os federais Éder Mauro e Joaquim Passarinho, que deixaram o Partido Social Democrático (PSD) e seguiram para o Partido Liberal (PL); Cristiano Vale que saiu do Partido Liberal (PL) e foi para o Partido Progressista (PP); Eduardo Costa que saiu do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e foi para o Partido Social Democrático (PSD). 

Alguns deputados estaduais optaram pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). São eles: Ângelo Ferrari, que deixou o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Diana Belo que saiu do Democracia Cristã (DC) e a deputada estadual Paula Gomes, deixando o Partido Social Democrático (PSD). A parlamentar Dra. Heloisa, que era do União Brasil (fusão entre Partido Social Liberal e o Democratas), foi para o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Jaques Neves saiu do PSC e escolheu o União Brasil. Três parlamentares migraram para o Partido Progressista (PP): José Maria Tapajós, que era do Partido Liberal (PL), Júnior Hage, que deixou o Partido Democrático Trabalhista (PDT) e Luth Rebelo, que saiu do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

O período para as convenções partidárias será de 20 de julho a 05 de agosto, prazo final para apresentação dos canditados. Os partidos têm até hoje (05) para publicarem as normas para escolha e substituição de candidatos às eleições de 2022. A publicação é uma formalidade prevista no calendário eleitoral e deve ser enviada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes das convenções. A partir de hoje, os agentes públicos também estão proibidos de aumentar o salário de servidores, exceto para recompor perdas do poder aquisitivo durante o ano. Regra que vale até a posse dos eleitos.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp