25/08/2023 às 13h09min - Atualizada em 25/08/2023 às 13h30min

Campanha no Hospital Oncológico Infantil coleta mais de 350 bolsas de sangue

As doações são essenciais para o tratamento de crianças e adolescentes atendidos na unidade do Governo do Pará.

Carlos Yury - com informações de Ascom Hoiol

Ellyson Ramos
Generosidade, solidariedade e cidadania são palavras comumente associadas às campanhas de doação de sangue no Brasil. No Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol), em Belém, profissionais, voluntários e responsáveis pelos pacientes também veem nas caravanas e ações a oportunidade de reforçar o compromisso de salvar vidas.

Em parceria com a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), o Oncológico Infantil realizou, nesta quinta-feira (24), mais uma campanha de doação de sangue. A 14ª edição do evento teve como meta 150 bolsas de sangue, mas superou as expectativas com 352 bolsas.


Impulso -A técnica em Enfermagem Evelyn Moraes atua na farmácia do Setor de Quimioterapia, e participa das campanhas realizadas na instituição. “Por conhecer as crianças e o dia a dia da luta contra o câncer, a gente compreende a importância dessas bolsas para o tratamento. Mas não basta só doar. A gente pode falar com amigos, familiares, e compartilhar nas nossas redes sociais sobre esse gesto, que significa vida para muitas pessoas. É preciso impulsionar uns aos outros para que a gente consiga ajudar ao próximo”, ressaltou a profissional durante a doação.

A autônoma Rafaela Oliveira é mãe de Adriel Lucca, 8 anos, que há pouco mais de um mês faz tratamento contra leucemia linfoblástica aguda (LLA). Esse período foi suficiente para que a criança precisasse de doações, e a mãe reconhecesse a importância do gesto de doar.

“Somos de Macapá (capital do Amapá) e chegamos a Belém em julho. Desde então, meu filho recebeu várias transfusões, e é por isso que decidi doar sangue. Eu conheço o trabalho sério desenvolvido, e sei que uma bolsa de sangue pode salvar até quatro vidas. Muitas pessoas já se disponibilizaram e salvaram o meu filho. Hoje, sou eu que vou me disponibilizar para salvar a vida do próximo”, contou Rafaela, que também convenceu o marido a reforçar o grupo de doadores.

Pará busca alternativas de mudar legislação sobre conta de luz


Da programação musical participaram os cantores Pinduca, Fabrício Nery, Júlio Mendes, Larissa Leite, Banda Tapiokids, Guto Risuenho e Balada Kids, Dj Ruano. A animação ficou por conta de Tio Bala, animador de festas.

Para doar – Quem não puder comparecer à instituição pode ir a qualquer posto de coleta da Fundação Hemopa e informar o código do Hoiol, 1766.

Para doar é preciso, dentre outros critérios: apresentar documento de identidade com foto e assinatura; ter entre 16 a 69 anos (adolescentes de 16 e 17 anos devem estar acompanhados de um responsável legal): estar bem de saúde e alimentado, e pesar mais de 50 kg.

Credenciado como Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo é referência na região amazônica no diagnóstico e tratamento especializado do câncer infantojuvenil, na faixa etária entre 0 a 19 anos. A unidade é gerenciada pelo Instituto Diretrizes, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), e atende pacientes oriundos dos 144 municípios paraenses e de estados vizinhos.

Serviço: O Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo fica na Travessa Quatorze de Abril, 1.394, bairro São Brás.

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp