16/06/2023 às 08h30min - Atualizada em 16/06/2023 às 08h30min

Polícia Federal faz buscas em endereços de Marcos do Val; redes sociais foram bloqueadas

Os mandados contra o senador foram expedidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

Carlos Yury - com informações de CNN e Uol

Reprodução - Poder 360
A Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão em todos os endereços de Marcos do Val (Podemos-ES) no Espírito Santos e em Brasília, inclusive em seu gabinete funcional, no dia do aniversário do senador.

Entenda o que aconteceu - A operação foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, e também determinou que o senador se abstenha de publicar e promover notícias falsas e ataques as instituições. No entanto, o magistrado negou um pedido de prisão da PF e pediu que o parlamentar fosse ouvido.

Os policiais fazem buscas em três endereços: no gabinete do senador e nas casas dele, em Brasília e em Vitória. O Twitter, Instagram e Facebook do parlamentar foram retirados do ar e agora aparece a mensagem de "Conta Retida por determinação legal".

Marcos Do Val chamou Moraes de "imperador" e afirmou que o ministro fez "movimentos claros da invasão de poderes e quebra da Constituição", em entrevista à Band News. Aos colegas de Senado, o senador disse que "todos estão expostos" e "sendo monitorados".

Apenas documentos foram coletados do gabinete funcional do parlamentar, segundo apuração. Já na residência do senador, segundo a Globonews, celular e computadores foram apreendidos.

Presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, agenda julgamento de Jair Bolsonaro para o dia 22 de junho; veja relatório completo do relator


O UOL apurou que Do Val é investigado por tentativa de golpe de Estado, tentativa de abolição violenta de governo legalmente constituído, associação criminosa e divulgação irregular de informações confidenciais. A assessoria do Podemos não vai comentar a operação. O processo está em sigilo no STF. 

A operação em Brasília foi acompanhada pela Polícia e a Advocacia do Senado, a pedido do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que foi avisado da operação pelo próprio Moraes em telefonema. Do Val foi avisado das buscas por volta das 15h, assim que agentes da Polícia Federal chegaram ao Senado.

A investigação está relacionada aos relatos do senador sobre um suposto plano golpista que envolveria o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). 



Desde que afirmou ter sido coagido a tentar incriminar Alexandre de Moraes, o parlamentar mudou de versão várias vezes. No dia primeiro de junho, o senador pediu para que o ministro fosse convocado para a CPMI do 8/1. 

O senador chegou a dizer que forjou a história para tentar afastar Alexandre de Moraes da investigação contra Bolsonaro: "Não tinha golpe de Estado, nem nada. Tinha falado: 'Bolsonaro, vou usar aquela reunião para fazer uma ação para te blindar porque ele [Moraes] quer te prender'", disse o senador a apoiadores em vídeo gravado pelo portal Metrópoles.

Em 2 de fevereiro, em entrevista à revista “Veja”, o senador disse que foi “extorquido” pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) a participar de uma trama golpista na qual ele grampearia Moraes, motivando um pedido ilegal de prisão do ministro para interferir no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no resultado das eleições de outubro.

No mesmo dia, à CNN, ele afirmou que o ex-deputado federal Daniel Silveira o levou à reunião para tratar sobre um golpe de Estado. Do Val também confirmou que avisou o ministro do STF Alexandre de Moraes sobre o plano. Nessa entrevista, ele afirmou não ter sido coagido por Bolsonaro, que teria ficado calado durante a reunião.

O senador também divergiu sobre o local em que o encontro teria ocorrido, citando o Palácio da Alvorada, a Granja do Torto e o Palácio do Jaburu.

Após oferecer uma série de versões contraditórias sobre a reunião e o suposto plano golpista, o senador chegou a dizer que “um dia as pessoas vão entender” e o “objetivo foi atingido”.

No dia 3 de fevereiro, Moraes decidiu abrir apuração contra o senador. De acordo com a decisão, foi determinado que “seja autuada petição autônoma e sigilosa, a ser instruída, inicialmente, com a cópia do pedido da Polícia Federal para autorização da realização de sua oitiva, com o despacho de autorização e com o inteiro teor de seu depoimento”.

No despacho, Moraes também expediu um ofício para os veículos de comunicação “Veja”, “CNN” e “Globo News”, para que fornecessem, em até cinco dias, as entrevistas concedidas por Do Val.

Procurado pela imprensa sobre a operação da PF desta quinta-feira, Marcos do Val afirmou que, por enquanto, não irá se pronunciar. Ontem, o senador fez uma publicação no Twitter na qual diz que as ações do ministro são inconstitucionais: "É notório em todos os meios jurídicos e entre e entre os magistrados, por todo o Brasil, as ações anticonstitucionais do ministro Alexandre de Moraes".

 

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ

Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp