06/04/2022 às 08h09min - Atualizada em 06/04/2022 às 08h09min

No Marajó, 20 trabalhadores em condições análogas à escravidão são resgatados

Operação da Polícia Federal investiga situação degradante em que os trabalhadores foram encontrados

Mayra Leal

Divulgação/Ascom PF

A Polícia Federal apresentou nesta quarta-feira (06), informações sobre a Operação Redentora que cumpriu mandados de busca e apreensão em fazendas nos municípios de Cachoeira do Arari e Ponta de Pedras, na região do Marajó, no Pará. Cerca de 20 trabalhadores foram encontrados em condições análogas à escravidão e sem direitos trabalhistas em uma fazenda na região.

Veja o vídeo do local onde os trabalhadores foram encontrados:






De acordo com a Polícia, a ação conjunta com o Ministério Público do Trabalho realizou o resgate dos trabalhadores, que passarão agora por processo de regularização e ressarcimento dos direitos violados. “As investigações apontaram que mais de 20 trabalhadores eram submetidos a condições degradantes no trabalho, além de falta de alojamento adequado, sem condições de higiene. Esses trabalhadores foram resgatados e terão agora a oportunidade de ter seus direitos garantidos”, destacou o delegado James Miranda.

Por se tratar de um local de difícil acesso, a operação ocorreu por meio terrestre e fluvial. Após o cumprimento dos mandados, o caso continua em investigação. Os investigados podem responder pelo crime de reduzir alguém a condição análoga à escravidão, previsto no Código Penal Brasileiro, podendo a pena ultrapassar 12 anos se for confirmado que entre as vítimas estão pessoas menores de idade. 

O nome da operação remete a como ficou conhecida a Princesa Isabel, a redentora, que assinou a Lei Áurea em 1888,  abolindo a escravidão durante sua regência. A Polícia Federal pede para que qualquer pessoa que tenha conhecimento de casos de trabalhadores mantidos em condições análogas à escravidão, denuncie junto aos órgãos competentes. Denúncias podem ser feitas pelo Disque 100.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp