05/12/2023 às 14h00min - Atualizada em 05/12/2023 às 14h00min

Servidor da Funai é baleado em emboscada a agentes que atuam na retirada de invasores em terra indígena no PA

Ataque ocorreu entre 19h a 20h desta segunda-feira (4), na Terra Indígena Apyterewa, no sul do Pará. Os suspeitos fugiram e até o momento ninguém foi preso.

Da redação

PRF / Divulgação
Uma equipe da força-tarefa responsável pela retirada de invasores na Terra Indígena Apyterewa, no sul do Pará, sofreu uma emboscada na noite desta segunda-feira (4). Um servidor da Funai foi baleado e passa por avaliação médica.

O ataque ocorreu entre 19h a 20h desta segunda. Os suspeitos fugiram e até o momento ninguém foi preso.

LEIA MAIS: Concurso do IPEA com 80 vagas e salário de R$ 20 mil abre inscrições; haverá provas em Belém


Os agentes retornavam de uma atividade quando foram surpreendidos por disparos de arma de fogo em três pontos diferentes. Duas viaturas da PRF foram atingidas com diversos tiros.

Os suspeitos estão escondidos em três pontos diferentes. — Foto: Divulgação

Os suspeitos estão escondidos em três pontos diferentes. — Foto: Divulgação



O servidor da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) foi atingido no tornozelo e precisou ser encaminhado para avaliação médica.

Terra sob ameaça - A TI Apyterewa teve o maior desmatamento do país por 4 anos consecutivos e perdeu área maior do que Fortaleza. Imagens de satélite mostram a devastação entre 2020 e 2022 e foram expostas em estudo do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

A área de preservação indígena foi homologada por decreto em 2007, reservando 773 mil hectares ao povo Parakanã. O território fica dentro do município de São Félix do Xingu, no sudeste do Pará.

Histórico - O governo informou que a "presença de estranhos no território indígena ameaça a integridade dos indígenas e causa outros danos como a destruição das florestas". A TI Apyterewa está no topo da lista de desmatamento entre as áreas reservada a indígenas no Brasil.

As apurações de órgãos como o Ministério Público Federal (MPF) apontam que algumas dessas famílias estão envolvidas em atividades ilegais, como criação de gado e garimpo, além de destruição da vegetação nativa.

Com informações de g1

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp