26/07/2023 às 12h15min - Atualizada em 26/07/2023 às 12h15min

MPPA oferece denúncia contra acusado de lançar bomba que provocou a morte de torcedor do Corinthians

Crime ocorreu no dia 12 de abril deste ano. Rafael de Moura Merenciano, de 35 anos, saiu de São Paulo para Belém para acompanhar o jogo entre o time do coração contra o Remo.

Da Redação - com informações de MPPA

Jornal Pará Publicidade 790x90

Reprodução / Arquivo Pessoal
O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio do 3º Promotor de Justiça do Tribunal do Júri de Belém, Edson Augusto Cardoso de Sousa, ofereceu denúncia criminal nesta terça-feira (25) contra Patrick Luiz Dias da Costa, acusado de provocar a morte de Rafael de Moura Merenciano com uma bomba no estádio Mangueirão, após o jogo do Remo contra o Corinthians, no dia 12 de abril deste ano.

Com base nos fatos, o crime ocorreu quando a vítima se dirigia ao estádio Mangueirão e foi violentamente surpreendida pelo rojão arremessado pelo acusado, que estava na garupa de uma motocicleta. Apesar dos esforços para socorrer a vítima, Rafael Merenciano não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no dia seguinte.

​Revista Eletrônica Cidades e Negócios promove seminário sobre Democracia e Direito Eleitoral em Parauapebas


Alguns dias após o crime, precisamente em 18 de abril de 2023, o denunciado, Patrick Luiz Dias da Costa, compareceu à Divisão de Homicídios e confessou a autoria do crime que resultou na morte de Rafael de Moura Merenciano. Segundo o depoimento do acusado, ele mesmo preparou o rojão com fita isolante e bolas de gude.

Diante dos acontecimentos, o MPPA solicitou à Justiça a apuração dos fatos, requerendo o retorno do inquérito policial à origem para o cumprimento das demais diligências.

Nesse sentido, a Promotoria requer a identificação das pessoas que aparecem nas gravações das câmeras de segurança que captaram o momento do crime, incluindo o mototaxista que conduzia Patrick, e sua intimação para comparecer e depor.

Além disso, foi solicitado que o denunciado responda à acusação por escrito no prazo de 10 dias, e que o processo prossiga nas demais fases, com a designação de audiência de instrução, posterior decisão de pronúncia e final julgamento pelo Tribunal do Júri.

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp