18/04/2022 às 20h13min - Atualizada em 18/04/2022 às 20h13min

iFood é notificada pelo MPF para explicar suposta campanha contra motoboys

O MPF exige esclarecimentos sobre campanhas da empresa com agência de publicidade com intenção de interromper protestos dos entregadores

Fernando Moura

Jornal Pará Publicidade 790x90

Foto: Divulgação
A empresa de entrega de comida por delivery, iFood, vai precisar explicar para o Ministério Público Federal sobre supostas campanhas realizadas em redes sociais para sabotar o manifesto dos entregadores cadastrados na plataforma. Para o MPF, agências de publicidade criaram perfis falsos nas redes sociais Twitter e Facebook, nas quais fingiam ser os motoboys publicando informações para distorcer as ações dos trabalhadores.

O despacho assinado pelo procurador da República, Yuri Corrêa, aponta uma representação do Grupo de Trabalho (GT) de Direitos Humanos e Empresas da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, com base em denúncias que apontam a irregularidade do iFood com campanhas de sabotagem a pauta trabalhista. Os protestos da categoria ocorreram em vários estados e a divergência de informações nas redes sociais enfraqueceu os manifestos.

Os procuradores exigem também que as agências de marketing e publicidade contratadas pelo iFood apresentem documentos contratuais com a empresa de delivery. As investigações vão revelar se as campanhas tinham o objetivo de ir contra os direitos à informação de consumidores e entregadores.

Protestos
Para o entregador Henrique Sousa, a atividade de motoboy exige grande demanda e as plataformas de entregas estão diminuindo os valores das viagens a cada ano. Passando pelos aumentos dos perigos do trânsito e da pandemia da covid-19. "Quando os períodos de isolamento começaram, os motoboys de entrega de comida foram classificados como serviço essencial, mas o reconhecimento nunca veio. Deixando a nossa categoria muito prejudicada. Aqui em Ananindeua o movimento de manifestações dos entregadores foi de baixa adesão. E acreditamos que essa 'jogada' do iFood foi motivo de a notícia não ter atingido os trabalhadores daqui que também sofrem muito com as condições impostas pela empresa”, explica o entregador.

CPI dos Aplicativos
O iFood também é alvo de uma investigação do Ministério Público do Trabalho (MPT) instaurada para apurar delitos trabalhistas.


 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp