13/07/2023 às 13h28min - Atualizada em 13/07/2023 às 13h28min

Donos de embarcação são presos em flagrante por superlotação em operação no Pará

​Autoridades aumentam fiscalização após tragédia em naufrágio próximo à Ilha do Combu.

Carlos Yury

Jornal Pará Publicidade 790x90

Reprodução / Agência Pará (Imagem Ilustrativa)
Na semana em que uma tragédia que vitimou um bebê de seis meses e outras cinco pessoas em um naufrágio próximo à Ilha do Combu, em Belém, as autoridades estão empenhadas em aumentar a fiscalização em portos e embarcações do Pará.

Na tarde da última terça-feira (11), policiais prenderam em flagrante os responsáveis por uma embarcação que operava na linha Breves para Bagre, no arquipélago do Marajó.

Bolsa Família tira 1 milhão de famílias da extrema pobreza no Pará


Segundo informações do Ministério Público do Pará, agentes da Polícia Civil e Militar, em conjunto com a equipe da Promotoria de Justiça de Bagre, abordaram a lancha Jamilly, que tinha capacidade para transportar até 74 passageiros. No entanto, surpreendentemente, a embarcação estava com 120 pessoas a bordo, quase o dobro do limite permitido.

A operação ocorreu por volta das 12h30 e contou com a presença do Promotor de Justiça Mário Braúna, que acompanhou de perto todos os desdobramentos do caso. Diante da constatação de superlotação, os responsáveis pela lancha, cujas identidades não foram reveladas, foram detidos por expor os passageiros a riscos ao desrespeitarem a capacidade máxima de transporte.

Os envolvidos foram conduzidos em flagrante para a delegacia local, situada no município de Bagre, onde serão adotadas as medidas legais cabíveis. De acordo com o artigo 261 do Código Penal brasileiro, eles serão processados por "atentado contra a segurança de transporte marítimo, fluvial ou aéreo".

Essa infração pode acarretar uma pena de dois a cinco anos de prisão, além de multa. Vale ressaltar que, caso a embarcação tivesse naufragado, a pena poderia ser ainda mais severa, chegando a até 12 anos de reclusão.

A superlotação em embarcações representa um grave risco para a segurança dos passageiros, especialmente em áreas de difícil acesso como o arquipélago do Marajó. As autoridades estão empenhadas em coibir essa prática e garantir a proteção dos cidadãos que dependem do transporte fluvial na região.

Medidas preventivas e fiscalização rigorosa serão intensificadas para evitar que situações semelhantes ocorram no futuro. As autoridades estão cientes da necessidade de garantir o cumprimento das normas de segurança e o respeito aos limites de capacidade das embarcações, visando proteger a vida dos passageiros.

A tragédia ocorrida próximo à Ilha do Combu despertou a atenção para a importância de um transporte fluvial seguro e eficiente. A população espera que as medidas adotadas pelas autoridades resultem em mudanças significativas e na prevenção de novos acidentes, para que tragédias como essa não se repitam.

ACOMPANHE O JORNAL PARÁ
Quer ficar bem-informado sobre os principais acontecimentos do Pará e do Brasil? Siga o Jornal Pará nas redes sociais. O JP está no Instagram, YouTube, Twitter e Facebook.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp