10/10/2022 às 11h04min - Atualizada em 10/10/2022 às 11h04min

Bancos elevam mais uma vez projeções de concessão de crédito para 2022, com expansão de 13,9%, e aumentam as expectativas para 2023

Yuri Siqueira

As projeções para o mercado de crédito no Brasil, em 2022 e 2023, tiveram uma melhora expressiva entre setembro e outubro, revela a Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária e Expectativas. Pela sexta vez consecutiva, os bancos elevaram a projeção de alta da carteira de crédito para 2022, passando de expansão de 11,4% para 13,9%, patamar muito próximo da projeção divulgada recentemente pelo Banco Central, que prevê aumento de 14,2% este ano. Para 2023, a média das projeções para a expansão da carteira total subiu de 6,9% para 8,0%.
 
A melhora das expectativas pode ser atribuída aos números correntes positivos da economia divulgados até o momento, ao crescimento maior que o esperado da atividade e às medidas de estímulo, como a reedição dos programas públicos de crédito. Para 2023, o viés é de crescimento da carteira, mas ainda inferior ao verificado este ano, em razão da política monetária mais restritiva e da previsão de menor crescimento do PIB.

 
A Pesquisa, realizada com 20 bancos entre 28 de setembro e 4 de outubro, é feita cada 45 dias, logo após a divulgação da Ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e reuniu as percepções das instituições financeiras sobre a última Ata e as projeções para o desempenho das carteiras de crédito para o ano corrente e o próximo.  
 
“Ao longo do ano, as expectativas mais moderadas do desempenho econômico interno e externo foram sendo substituídas paulatinamente por uma perspectiva mais otimista. As sondagens de algumas instituições mostraram nova alta da confiança entre os empresários e consumidores em setembro, reforçando a percepção de avanço da atividade no 3º trimestre. Esses resultados favoráveis se devem à continuidade do processo de normalização da atividade econômica e às medidas de estímulo adotadas recentemente, que levam à melhoria do desempenho da economia”, avalia Isaac Sidney, presidente da FEBRABAN.
 
Novamente destaque da nova revisão positiva é o desempenho esperado para a carteira com recursos livres, cuja projeção deu um salto de 14% em agosto para 16,7%, se mantendo como o segmento de maior dinamismo. De acordo com a pesquisa, beneficiando-se do quadro de aumento da ocupação na economia e maior crescimento que o esperado da atividade e do consumo, houve melhora da perspectiva tanto na carteira Pessoa Física (de 15,3% para 17,2%) quanto na de Pessoa Jurídica (de 13% para 14,5%).
 
Para 2023, também se espera maiores altas tanto na carteira com recursos livres (de 8,4% para 9,3%), como na direcionada (de 4,7% para 6,0%).
 
O aumento das expectativas de crédito também atingiu a carteira com recursos direcionados que passou de 6,9% em agosto para 9,3%. Em agosto, ela havia verificado uma queda em relação à pesquisa anterior de junho. Esse resultado positivo foi liderado pela revisão da carteira PJ, de alta de 0,2% para 5,1%, refletindo a nova rodada dos programas públicos de crédito (Pronampe e PEAC-FGI), que têm mostrado elevada demanda.
 
A projeção da carteira PF direcionada também melhorou, passando de 10,5% para 12,8%, em razão do forte crescimento do crédito rural e sinais de resiliência da carteira imobiliária, apesar da elevação da taxa Selic.
 
Por outro lado, houve ligeira piora na projeção para a inadimplência da carteira livre do fim deste ano, que subiu de 3,8% (em agosto) para 3,9%, mesmo nível apresentado pelo Banco Central em agosto, sinalizando a expectativa de um cenário ainda relativamente confortável. Participantes esperam uma alta relativamente moderada da inadimplência na carteira de crédito destinada às famílias até o fim do ano. Para 50%, a inadimplência deve encerrar o ano em até 4,0%, enquanto para 38,9% a inadimplência deve ficar entre 4,0% e 4,5%. Apenas 11,1% esperam uma alta significativa (de mais de 4,5%).
 
 
Selic
 
A Pesquisa mostrou que a grande maioria (80%) dos participantes entendeu como adequada a decisão do Copom de manter a taxa Selic em 13,75% ao ano e encerrar o ciclo de aperto monetário em sua última reunião. Para os outros 20%, pelo menos mais um ajuste de 0,25 pp seria oportuno.
 
Quanto à perspectiva de flexibilização monetária, 60% dos participantes esperam que o processo se inicie no 2º trimestre de 2023, enquanto os demais (40%) acreditam que a taxa Selic deve começar a cair apenas no 3º trimestre.
 
Desta forma, a mediana das projeções prevê que a taxa Selic fique estável em 13,75% ao ano nas próximas reuniões, até maio do próximo ano, sinalizando que a queda da Selic no segundo trimestre ocorreria apenas a partir de junho.
 
 
PIB
 
Quanto à atividade, os recentes resultados seguem elevando as projeções do PIB de 2022. Todos os participantes esperam um crescimento entre 2,5% e 3,0% em 2022. Na pesquisa anterior de agosto, a maioria (55%) previa um crescimento entre 1,5% e 2,0%.
 
 
EUA
 
Os participantes da pesquisa não chegaram à um consenso quanto ao tamanho do aperto monetário necessário para desinflacionar a economia dos EUA. A metade (50%) dos participantes espera que uma taxa de até 4,75% ao ano, conforme indicado pelo Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), seja suficiente. Os demais, se dividem entre um aperto mais ou menos intenso do que o indicado pelo Fed.
 
 
Câmbio
 
Para o câmbio, houve poucas alterações e a expectativa é de que se mantenha na faixa de R$/US$ 5,20 a 5,30 até meados do próximo ano. Na pesquisa anterior, a projeção era que a moeda americana ficasse na faixa de R$/US$ 5,20 a 5,25 até o início do próximo ano.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp