16/02/2023 às 11h04min - Atualizada em 16/02/2023 às 11h04min

Lab Negras Narrativas Amazônicas está com inscrições abertas até 20 de fevereiro

Jornal Pará
Lab Negras Narrativas Amazônicas

Reprodução/Lab Negras Narrativas

Estão abertas, até o dia 20 de fevereiro, o Lab Negras Narrativas Amazônicas para projetos audiovisuais de cineastas negros da Amazônia Legal. O laboratório oferece consultorias especializadas aos projetos selecionados com o objetivo de fortalecer as narrativas e reforçar estratégias de inserção e permanência no mercado audiovisual.

 

O laboratório consiste em um espaço de encontro, voltado ao aprimoramento de projetos audiovisuais de realizadores negros do país. Destinada aos diferentes gêneros - como ficção, documentário e animação - e formatos - longa e curta-metragem e narrativas seriadas -, ao final da formação, a iniciativa premiará os três melhores projetos com o valor de R$10 mil cada. O laboratório ocorre entre os dias 3 e 8 de abril, em Belém (PA). 

 

Desde 2016, o LAB Negras Narrativas garante aos participantes, palestras e consultorias nas áreas de direção, roteiro e produção, compreendendo toda a cadeia produtiva do audiovisual, com objetivo de criar bases para inserção e permanência de profissionais negros nesse mercado. Em 2023, chega à sua quinta edição nacional e à primeira edição voltada exclusivamente para os realizadores e projetos da Amazônia Legal. O LAB Negras Narrativas Amazônicas é uma realização da Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (Apan) em parceria com o Matapi - Mercado Audiovisual do Norte e a Casa Ninja Amazônia, e apoio por financiamento da Open Society Foundations.

 

Nos últimos anos, a participação da Região Norte no mercado nacional de cinema registrou um crescimento de mais de 50%. Atualmente, são aproximadamente 295 produtoras independentes brasileiras registradas e ativas na Agência Nacional do Cinema (Ancine) - um mercado emergente e com grande possibilidades de crescimento, mas que precisa ser incentivado, aquecido, estruturado e aprimorado com a valorização do profissional da região. É a partir dessa inquietação que o LAB Negras Narrativas realiza, pela primeira vez, uma edição voltada exclusivamente para a região amazônica. 

 

Segundo o cineasta paraense, presidente da Apan e diretor executivo do LAB Negras Narrativas, Rodrigo Antonio, o objetivo da iniciativa é “descentralizar o modo de pensar e fazer o cinema negro no Brasil”. “Pensar cinema negro é pensar cinema brasileiro, afirmando isso em nossa pluralidade de negritudes. Daí a importância de trazer, para o centro do debate, o imaginário afroindígena ainda não pautado na agenda nacional. A atenção às narrativas amazônicas orienta-se na possibilidade de ter realizadores negros como protagonistas na construção de políticas públicas para a região e na afirmação de uma autoimagem do cinema amazônico a partir do domínio das ferramentas de produção audiovisual no contexto atual”, conta.

 

Rayane Penha é diretora e roteirista do estado do Amapá. Em 2020, seu projeto de longa-metragem “Chamado da Floresta” venceu o LAB. A partir da experiência, a realizadora conseguiu recursos para desenvolver o longa e, hoje, participa de uma sala de roteiro da Netflix. “Para mim, foi uma oportunidade muito grande, porque eu sou uma realizadora negra da Região Norte, do Amapá, então é muito difícil ter acesso a esses espaços de desenvolvimento de projetos e acesso a mercados, e o laboratório possibilitou isso. Então, com certeza, o LAB foi fundamental para a minha carreira, para eu crescer enquanto realizadora e, principalmente, para o projeto, não só por ter ganhado, mas porque a experiência em si deu muito corpo para ele se tornar algo muito mais grandioso”, relata a profissional do audiovisual.

 

Sobre o LAB Negras Narrativas Amazônicas

O LAB Negras Narrativas Amazônicas é um projeto de ampliação e descentralização das ações da Apan. A Apan é uma entidade fundada em 2016, dedicada à missão de consolidar, nos mais distintos campos do audiovisual, a presença de pessoas negras, de maneira a promover narrativas, transformar a percepção da sociedade com relação à negritude, combater o racismo estrutural e referenciar possibilidades de construção coletiva nas políticas públicas e no mundo do trabalho.

 

Desde seu nascimento em 2016, dedica-se ao fomento, valorização e divulgação de realizações audiovisuais protagonizadas por pessoas negras, bem como a promoção desses profissionais no mercado audiovisual brasileiro e internacional. São pilares da constituição e política da Apan, a valorização da negritude e a defesa dos interesses de uma perspectiva inclusiva, com atenção ao recorte racial em relação a todos os elos da cadeia produtiva audiovisual. “No lugar de aprimoramento e partindo de um posicionamento plural, enquanto entidade nacional, acreditamos no aquilombamento de cineastas negros como forma de propor um novo imaginário nacional”, destaca, ainda, Rodrigo Antonio. 

 

Cronograma:

Período de inscrições: 6 a 20 de fevereiro;

Laboratório: 3 a 8 de abril.

 

Serviço:

Podem se inscrever realizadores audiovisuais dos nove estados da Amazônia Legal - Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. O regulamento e o formulário de inscrição podem ser encontrados na bio do Instagram @labnegrasnarrativas ou no site da Apan.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalpara.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp